O processo de Inseminação Artificial

O processo de Inseminação Artificial

Primeira tentativa, IVI Vigo, Dezembro 2016
Vamos tentar explicar, passo a passo, com valores e exames médicos necessários desde que se inicia o processo para a inseminação artificial. Começámos em agosto de 2016, onde ainda não era permitido recorrer a este método de procriação medicamente assistida a casais homossexuais e/ou mulheres solteiras em Portugal. Neste momento, felizmente, já é permitido e estamos a caminho da terceira tentativa. De qualquer forma, tudo o que vamos falar, a nível de preços e exames, não deve variar muito pois fomos sempre acompanhadas aqui em Portugal. Apenas fizemos a primeira consulta e as inseminações em Espanha, porque é obrigatório e tudo o resto (exames e medicamentos) foi sempre tudo em Portugal.
Como já disse, tivemos a primeira consulta em agosto de 2016, na IVI Vigo, com a Dr.ª Susana Portela, portuguesa, a qual recomendamos, não só pela facilidade na comunicação como também pela simpatia e profissionalismo. Só para contextualizar, a primeira inseminação fizemos em dezembro e a segunda em janeiro. Ambas as tentativas com resultado negativo, não porque esteja algo de errado com a Isabel, mas porque as probabilidades não estavam do nosso lado. Estamos confiantes que a terceira será de vez e a vida nos presenteará com um filho que irá crescer cheio de saúde e amor pelas mães que tanto já sofreram de ansiedade mas que nunca desistiram deste sonho!

O início

Para começar, a primeira consulta na IVI custou 145€ e fazem várias perguntas médicas. É importante também referir que devem anotar os vossos ciclos menstruais num calendário para levarem à consulta, pelo menos nos últimos meses para a médica analisar e contar os dias do ciclo. As perguntas são basicamente estas: se tomas ou alguma vez tomaste a pílula, se já engravidaste, se já abortaste, se tens dores durante a menstruação, se tens muito ou pouco fluxo e doenças existentes na família. Nunca perguntam o teu estado civil e/ou orientação sexual, o que fez com que muitas mulheres, solteiras ou em relações homossexuais, recorressem a Espanha para engravidar.
É ainda feito um papanicolau para confirmar se está tudo bem.
São-nos dadas algumas folhas para lermos e assinarmos. Estas folhas têm toda a informação necessária e tem ainda o consentimento para inseminação artificial com sémen de dador anónimo. Este consentimento informa que nunca poderemos saber quem é o dador nem o dador poderá saber a quem o seu esperma foi doado. A médica fala-nos de todo o processo, explica-nos como tudo funciona  e esclarece-nos todas as dúvidas que possamos ter.

Exames

As análises ao sangue foram todas comparticipadas, mas o processo é burocrático: a Dr.ª Susana faz um pedido de análises e temos de levar esse pedido ao médico do Centro de Saúde para passarem uma credencial.
Há um exame que não é comparticipado e que é essencial, é o exame de cariótipo (análise à genética) e custa 120€. Este é o exame mais demorado, porque temos de estar 20 minutos deitadas antes de o fazer e demora 1 mês a estar pronto.
Existe ainda o teste de compatibilidade genética (TCG-D 549), não é obrigatório e tem o custo de 1.295€. Esta análise permite identificar, mediante amostra de sangue da mãe e do dador, a presença de genes causadores de doenças. Apesar de sermos saudáveis, podemos ser portadores de algum gene mutante que poderá ser passado ao filho. Através deste teste, podemos saber se existem e quais são esses genes mutantes e escolher um dador de forma a diminuir a probabilidade de transmissão de doenças. ​
Fizemos ainda um exame às trompas, em Coimbra, para verificar a permeabilidade destas. Este teste, chamado Histerossalpingografia, teve um custo de 52€ e não é comparticipado.
São feitas ainda ecografias endovaginais desde que começa a menstruação até ao período mais fértil, onde se fará a inseminação. Estas ecografias servem para ir acompanhando o tamanho dos folículos, para se verificar se haverá ou não ovulação naquele ciclo e determinar o dia ideal para a inseminação. Estas ecografias podem ser feitas na própria clínica, na IVI Vigo ou até mesmo na IVI Lisboa, onde estão incluídas no valor final. No nosso caso, por ser mais cómodo, fizemos em Leiria numa clínica escolhida por nós e pagámos 40€ por cada uma. Podem ser comparticipadas, caso se dirijam ao centro de saúde e peçam a credencial ao médico de família, mas para isso a Dr.ª deve fazer um pedido a explicar o porquê de tantas ecografias. Poderão ter o mesmo problema que nós tivemos: mesmo com o pedido da Dr.ª Susana, à terceira vez recusaram-se a dar-nos mais!!! Foi então que decidimos fazer as ecografias e pagar o valor total, sendo que depois a IVI desconta o valor que pagámos por todas as ecografias (têm de apresentar os recibos).
Fizemos as ecografias em Leiria numa clínica escolhida por nós e enviámos o resultado para a Dr.ª por e-mail. O resultado tem de ser enviado no mesmo dia em que a eco é feita e, nesse mesmo dia, a Dr.ª liga-nos e diz quando deve ser feita a próxima ecografia.
É preciso ter noção que desde o primeiro dia de menstruação até ao dia em que, se tudo correr bem, se fará a inseminação, serão 3 a 6 ecografias, dependendo do desenvolvimento dos óvulos de cada mulher. No caso da Isabel, fizemos 4 no primeiro ciclo, mas não fizemos inseminação porque o óvulo não ficou maduro o suficiente, ou seja, não ficou com o tamanho mínimo necessário para ocorrer ovulação e, posteriormente, fertilização.
No segundo ciclo, fizemos 6 ecografias. O óvulo foi crescendo, o que implicou um acompanhamento quase diário para decidir qual o melhor dia para a inseminação. Na 6ª ecografia o óvulo estava com 19 mm, um tamanho já considerado aceitável para a inseminação. Fizemos a inseminação mas, infelizmente, tivemos o nosso primeiro teste negativo.
Parámos um ciclo para descansar e tentámos o terceiro ciclo um mês ou dois depois. Neste ciclo, fizemos apenas 3 ecografias. Começamos a perceber o desenvolvimento dos óvulos e fizemos as ecografias mais espaçadas. Neste terceiro ciclo o óvulo apresentava um tamanho a rondar os 21 mm, o que nos deixou com bastante esperança.

Medicamentos

A Isabel tomou Ovitrelle, com um preço aproximado de 40€, é uma solução injetável em caneta pré-cheia que deve ser usada 36 horas antes da inseminação.
Tomou também Menopur, que é um pó e solvente para a solução injetável, com um preço aproximado de 110€ e, sendo que o Estado comparticipa uma parte, tem o valor final de 70€.
Depois da inseminação administrava o Progeffik (progesterona micronizada – via vaginal) com um preço de 13€, uma vez por dia, à noite.
Ácido fólico, Folicil, um comprimido via oral por dia. Não encontrámos esta fatura mas sei que não foi muito mais caro que o Progeffik.
O valor da inseminação artificial é de 1.104€ que devem ser pagos no próprio dia antes da inseminação ser feita. A inseminação propriamente dita não é nada de especial: chegadas à clínica somos encaminhadas para o consultório da Dr.ª Susana e a Isabel deitou-se na maca enquanto a Dr.ª preparava o esperma do dador. Com um tubo muito fino mas comprido é injetado o esperma e tem de ficar cerca de 20 minutos deitada com as pernas ligeiramente elevadas e está feito!
Posteriormente, a médica passou o pedido de análise ao sangue para o teste de gravidez daí a 15 dias. Esta análise é comparticipada mas, claro, têm de ir novamente ao centro de saúde pedir a credencial. Esses dias pareceram meses! Estávamos muito confiantes na segunda tentativa. Se não deu certo, é porque não estava destinado. Parámos, porque decidimos casar e porque não era altura para continuar a insistir. É importante estarmos calmas, o stress influencia muito e as primeiras semanas são cruciais na gravidez.
Não esquecendo ainda que tivemos que faltar ou ajustar horários de trabalho porque a data da inseminação só é determinada consoante a evolução do óvulo (a última ecografia era numa sexta-feira e a médica marcava a inseminação para a segunda-feita seguinte!) e ainda tínhamos as viagens para Espanha. Ou seja, todo este stress é desgastante, o que fez com que decidíssemos ser acompanhadas em Coimbra, numa nova clínica.

Imagem

Segunda tentativa, IVI Vigo, Janeiro 2017

À terceira, será de vez

A caminho da terceira tentativa, desta vez em segredo.
Não fiquem zangados, só não queremos pressão no dia da inseminação e até ao dia do teste. Desta vez vamos tentar não estar muito ansiosas e lidar com tudo o mais naturalmente possível.
Esperemos ter um teste positivo para vos mostrar em breve. O amor vence sempre e iremos provar isso uma vez mais!Qualquer dúvida que tenha restado, teremos todo o gosto em vos esclarecer. Podem-nos contactar por email ou directamente pelas redes sociais!
Já temos página no facebook, passem por lá: www.facebook.com/oamorvencesempre/

Até breve,
Daniela & Isabel

15 comentários

  1. Olá Isabel e Daniela 🙂
    Em primeiro lugar vocês são uma enorme inspiração.
    Em segundo lugar, tenho uma curiosidade. Sabendo que é a Isabel que está a tentar engravidar gostaria de saber se os óvulos usados são os dela própria. Pergunto isto não apenas por mera curiosidade mas porque quando penso nisto com a minha namorada penso sempre em usarmos os óvulos de uma no corpo da outra para o bebé ser realmente procriação de ambas. Sei de pelo menos dois casos no estrangeiro (EUA, se não estou em erro) e gostava de saber se é possível este método em Portugal ou Espanha.
    Obrigada e beijinhos

  2. Olá Daniela e Isabel,
    Sigo-vos, atentamente, desde há umas semanas e tenho de vos dar parabéns e desejar-vos muitas felicidades!
    Sou lésbica, mantenho uma relação há quase 9 anos e planeamos casar-nos em breve e, posteriormente, avançarmos também para PMA, em Portugal.
    Vocês irão recorrer ao SNS ou a uma clínica privada? A única clínica privada em lisboa, que realiza o procedimento, pratica preços bastante elevados… a contrapartida de optarmos pelo SNS são as longas listas de espera. Depois quererei saber feedback da terceiras tentativa, que espero que seja positiva!

    1. Olá Rita,
      Vamos fazer na Ferticentro, em Coimbra.
      A IVI Vigo é privado também, por isso os preços não diferem muito do que mencionámos em cima. No público, as filas de espera são muito elevadas, é verdade. Na Ferticentro conseguimos consulta dum mês para o outro com facilidade.
      Beijinhos e tudo de bom para as duas!

    2. Olá Rita !
      Estou tal como tu, numa relação homossexual a 9 anos, vamos casar e recorrer à PMA no próximo ano. Posso dizer-te que uma clínica óptima (pelo que já falei com eles, preços, etc) é a Ferticentro, em Coimbra. Não é perto de Lisboa (tambem sou de cá) mas compensa as deslocações pelos preços que praticam comparados com tantos outros sítios 😉
      Boa sorte !

    3. Ola Rita. Os preços na Ivi são elevados em comparação a outra clinica onde eu e a minha namorada fomos, a Ava Clínic. O que me disseram na primeira consulta na IVI foi que eles preocuparam se muito com o tamanho dos folículos, onde esta o óvulo, mas a medicação que tomei acabou por me afinar o endometrio e dessa forma a implantação nunca iria acontecer ou só com muita sorte. Na IVI vamos pagar 1.404 euros pois vamos fazer inseminação dupla, isto é fazemos num dia e no outro repetimos o procedimento. Tenho mais esperanças na IVI até porque a medicação vai ser outra é não me vai afinar o endometrio como aconteceu nas duas tentativas anteriores. Beijinhos e boa sorte

  3. Olá Daniela e Isabel
    tenham confiança, tudo irá dar certo. Estou torcendo por vós, têm uma linda historia e o vosso amor merece um novo ser. tudo de bom

  4. Vai dar tudo certo eu fiz a minha no Brasil pois já tinha feito duas em Portugal e não resultou na época tive o meu filho com 45 anos deu tudo certo a clinica que escolhi foi de uma categoria que até hoje o médico se tornou amigo nosso sempre que vamos a Fortaleza levamos nosso filho lá na clinica. Só acho que o procedimento lá foi diferente não tinha nada haver com o daqui. Força correr tudo bem.

  5. Eu e a minha namorada estamos na mesma situação. Vamos para a terceira tentativa e vamos a IVI Lisboa. Gostei da clínica e da Dra e fez nos ver algumas falhas que houveram nas primeiras tentativas o que nos fez ficar com dúvidas em relação a outra clinica onde fomos, a Ava Clínic. Desejo vos o melhor do mundo e que alcancem o vosso sonho assim como esperamos alcançar o nosso nesta tentativa. Beijinhos Joana&Catia

  6. Olá Daniela e Isabel! Obrigada pela partilha de informação. Com amor tudo se consegue, tal como vocês esperamos também conseguir um dia! Para ajudar a baixar a ansiedade experimentem fazer Meditação e Reiki! Beijinhos e boa sorte

  7. Olá meninas tomem calma que vai dar tudo certo ,pensei que os filhos era um sonho pra um pouco mais tarde daqui a um ano ou coisa asim ,pois são tão novas gozem a vida que é bela bjs

  8. Espero que tenham conseguido. Espero fazer uma inseminação artificial em breve. Algumas dão sorte e consegue na primeira tentativa, outras precisam fazer mais vezes.
    Obrigada por compartilhar a experiência de vocês.

  9. Olá.
    Muitos parabéns pelo vosso espaço…
    Fiquei com uma dúvida que foge ligeiramente do objectivo do vosso texto!
    Existe uma selecção da vossa parte, relativamente ao dador anónimo? Alto, baixo e bla bla bla?!
    Sou gay e tenho uma relação com 10 anos, mas um filho não nos passa pela cabeça, pois os processos de adopção são muito longos e chatos!
    Beijinhos. Felicidades.

  10. Meninas, primeiro parabens. vcs poderiam divulgar o nome da clinica, Se vcs fizeram desculpa nao percebi. caso contrario , mandas pelo meu email. quero tanttttto um bebe. obg

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: