Ser Lésbica em Portugal

Ser Lésbica em Portugal

Créditos Fotográficos: Your Life In One Picture
Desta vez trazemos um tema que ainda gera alguma confusão aos olhos da sociedade.
Note-se, a homossexualidade sempre existiu mas era mantida em segredo e algumas pessoas até casavam com alguém do sexo contrário só para manter as aparências.
Alguns criticam-nos, principalmente depois das entrevistas que demos em alguns canais televisivos, por nos expormos e demonstrarmos o nosso amor publicamente. Dizem coisas como “não tenho nada contra, mas escusam de estar sempre a falar no mesmo” e eu não entendo isto. Aceitam, mas não podemos falar disso? Até fazemos questão de expor, mostrar e até chocar algumas pessoas. Porque a verdade é que, às vezes, é bom falar e insistir com estes assuntos ainda tabu em Portugal. Talvez assim entendam que o amor não tem género. Mostramos, porque sentimos que ainda não somos aceites. Mostramos, porque sabemos que servimos de motivação para as pessoas se assumirem, perante quem lhes é próximo, a sua orientação sexual.Existem ainda aquelas pessoas que dizem que lésbicas são aquelas mulheres que tiveram uma má experiência com homens. Pessoas, entendam: há lésbicas que nunca sequer tiveram com homens! Isto não é opção, é o nosso modo de estar na vida. Nascemos assim e depois tudo depende da forma como aceitamos e lidamos com isso quando descobrimos. E é aí que a vida nos faz tomar opções: aceitar e ser feliz ou negar e viver numa fachada.

E para finalizar, outro rótulo que colocam nos casais de lésbicas é que uma delas é mais homem que mulher. E isto é das coisas que mais me custa ouvir e me faz saltar a tampa. Tanto eu como a Isabel somos mulheres com orgulho e muito bem resolvidas. Não é por eu não gostar de me maquilhar, fazer um puxinho no cabelo, usar sapatilhas, camisas e pólos que faz de mim mais ou menos mulher. Simplesmente há mulheres mais ou menos preocupadas com a beleza e com diferentes gostos e formas de vestir que outras! Ela usa vestidos, eu uso calças de ganga. Ela usa saltos-altos e eu só não ando sempre de chinelos porque não posso. Os opostos atraem-se, é por isso que casei com a Isabel.

Embora tenha mencionado lésbicas no geral, falei por mim, pela Isabel e pela maioria das mulheres que se identificam connosco. Certamente existirão casos diferentes e gostaria de falar sobre eles, um dia, aqui no nosso blog. Cada caso é um caso, mas o importante é que a história tenha sempre um final feliz, e sabemos que infelizmente nem sempre acontece! Mas, acreditem, o amor vence sempre!

Graças a vocês estamos em 7º lugar na categoria lifestyle na plataforma “Blogs de Portugal”
Se ainda não nos segues, podes fazê-lo já no link abaixo! OBRIGADA <3
https://blogsportugal.com/blogue/oamorvencesempre-pt
Até breve,
Daniela & Isabel

13 comentários

  1. Tão bem dito e tão bem escrito!
    O melhor post deste blog 😉
    Continuem a mudar mentalidades e não baixem a cabeça porque vocês podem fazer a diferença!
    E quem não entenda que vá dar uma volta e informar-se, porque pessoas mal formadas já temos muitas na nossa sociedade!!!

  2. Excelente artigo. Não é por uma mulher se vestir de forma mais desportiva que é menos mulher, menos sensivel ou menos feminina. Sempre o que deve importar é cada um viver da forma mais verdadeira o seu Eu.

  3. Um post que disse tudo axo as pessoa ainda sao confusas nesse sentido de que as lesbicas que se vestem amis desportivas sao menos femininas ,essas pessoas estao enganacas cada um e livre de se vestir como quet e lhe apetece e os otros n tem bada a cer com isso . Quem e o homem na relação? Wat sao duas mulheres que estao na relacso independentemente de usarlsarwm roupa mais masculina ou de com unhad pintadad o qye imporya e serem felizes espalharem amor sem nada a temer. Parabens meninas por continuarem a mudar mentalidades . Vcs sao lindas e o vosso amor tambem

  4. Olá Daniela
    Em primeiro felicidades para ti e a Isabel.
    Eu pensava que essa mentalidade de que as mulheres lésbicas, são mal resolvidas, têm trauma com homens e etc.
    Espero que consigam mudar a mentalidade das pessoas em relação ao homosexualismo, sinceramente acho difícil mudar totalmente é uma questões de cultura.
    Eu moro na Holanda, e os homosexuais não precisam se afirmar, porque aqui é uma coisa tão natural que ninguém comenta, ou critica.
    http://www.opecadodagula.com

  5. Um excelente post!
    Sabem meninas, sempre me meteu confusão ver duas mulheres juntas, (mulher e/ou homens)! Nasci e sempre me ensinaram que o amor e um relação é: um homem e uma mulher!
    Atualmente não penso assim, não e graças a uma serie (American horror story – temporada do hotel, não sei se já viram?!). Tinha lá um homem que se vestia de mulher, sentia-se bem e gostava de homens, ou seja homem com homem! A principio metia-me confusao, mas depois percebi que o que interessa é o amor, não importa se são duas mulheres, dois homens, um homem e um mulher…O amor vence sempre!
    A sociedade ainda é muito mente fechada e esse é o problema.
    Não conhecia o vosso blog e por isso foi um prazer vos conhecer.
    Um beijinho enormeeeeee.

  6. olá, gosto imenso dos vossos posts. gosto ainda mais da vossa historia , admiro-vos imenso. eu sou uma daquelas que casou …”com alguém do sexo contrário só para manter as aparências”… talvez não fosse pela aparência, mas talvez pela inocência dos meus 18 anos… achei que depois teria liberdade e seria independente. poderia me separar e já não teria de dar satisfações
    a ninguém dos meus…. puro engano, continuo neste “casamento” onde sou humilhada e agredida verbalmente praticamente todos os dias. vivo aterrorizada e não tenho forças para sair… enfim opção errada que fiz e que infelizmente estou pagando bem caro.
    Mas em relaçao ao vosso post se há coisa que me irrita é quando alguém vê duas mulheres e diz ” qual delas será o homem ” , isso ira-me do serio, fico fula.
    desejo udo de bom para vós

  7. Sou lésbica e casada com uma mulher,nunca escondemos a nossa preferência sexual,mas também não fazemos dela bandeira estandarte.Vivemos bem com amigos e no nosso meio laboral sem pressões ou ameaças.Gosto do que vocês escrevem e sigo-vos desde o primeiro minuto,muitas pessoas ainda precisam de ver e saber que somos pessoas como tantas outras,e muitas lesbicas precisam saber que não devem ter medo e assumir o seu amor sem medos sem preconceitos e vocês ajudam nesse sentido.Jà agora aproveito para divulgar um livro LGBT escrito pela minha mulher Maria Venes”Desejo Incontrolável”uma história de Amor Lebico aproveitem leiam digam se gostaram e divulguem 🙂 Obrigada por tudo e nunca se esqueçam “SEJAM FELIZES” que eu também sou e muito com a mulher da minha vida.Beijinhos

  8. Sou uma pessoa que cada vez está mais confusa. Tenho 18 anos, a caminho dos 19. Vivo num meio pequeno que acaba por condicionar a minha liberdade face às minhas preferências. Sou bi, não por estar confusa, mas por sentir uma forte atração pelos dois sexos. Não, isto não é, como muitos pensam, uma escada. Muita gente pensa “era hetero, agora é bi e daqui a uns dias já chega ao patamar de ser homosexual” amigos, sou bi porque ambos os sexos me atraem. Não generalizem, não sejam preconceituosos!
    Adoro o vosso esforço para a mudança num mundo melhor

  9. Oi! Eu sou do Brasil e estou pensando em mudar para portugal junto com minha namorada. E estou tendo muitas dúvidas sobre a questão do preconceito escancarado. Sendo que no Brasil existe muito dessa questão que você apontou no texto portanto estamos “acostumadas” mas o que me preocupa são os ataques diretos e também sobre os nossos direitos. Torço muito por vocês!

  10. Olá,
    Gostei muito deste post. Identifico me com grande parte das palavras que vocês escreveram.
    Há situações muito complicadas neste campo, mas os tempos mudam e a mentalidade das pessoas, aos poucos, também vão mudando.
    Um beijinho grande para vocês é muitas felicidades

  11. Permitam-me discordar mas não percebo tudo o que estão a criar à volta do facto de serem homossexuais. Têm que ter direito a viver a vossa vida felizes, em liberdade e sem receio de serem apontadas por serem homossexuais. Digo isto do fundo do coração porque para mim é completamente indiferente as “opções” de cada um, desde que se sejam felizes e não se prejudiquem ninguém. No entanto, diziam na entrevista à Fátima Lopes, que são o que são e não têm que se andar a expor, no entanto aqui já dizem o contrário e mesmo que não o tivessem dito, estão-se a expor e a querer lucrar com isso. Perdoem-me mas isso é feio. Aproveitar uma condição que querem que seja aceite como normal para lucrarem e tirarem proveito disso é feio. Querem apoiar outras pessoas, ajudá-las, acho muito bem, mas podem fazê-lo em privado. É certo que só vim aqui porque quis, só vi a entrevista porque quis, no entanto parece-me, e permitam-me a minha opinião, que querendo tanto ser exemplo e tornar a homossexualidade normal, estão a criar um circo à volta disto que pode funcionar ao contrário. Perdoem-me se magoei ou choquei alguém, apenas pensei que a sinceridade é importante nesta fase de “lua de mel” em que tudo é perfeito e toda a gente à vossa volta só lança rosas para vocês. A criação do blog até não é descabida, se fosse trabalhada de outra forma. Se transmitissem a vossa mensagem e a normalidade da vossa vida sem terem que lá colocar a bandeira da homossexualidade. As coisas se forem feitas naturalmente fluem melhor. Porque não criar um blog, mas sem terem que por em todos os textos que são homossexuais ou lésbicas? Penso que ficava implícito e a mensagem passava na mesma. De qualquer forma, felicidades para esta nova fase de casadas, e que corra tudo bem com o sonho da gravidez. Vou acompanhar. 🙂

Deixar uma resposta

%d bloggers like this: